Seguidores

quinta-feira, abril 24, 2008

Ciclo das Fadas (1) - AS FADAS VERDES

Para iniciar o ciclo das fadas, trazemos aqui um livro de Matilde Rosa Araújo: As Fadas Verdes.
Mas antes, não podemos deixar de referir e lembrar Albert Einstein,quando nos ensinou que: "If you want your children to be intelligent, read them fairy tales. If you want them to be more intelligent, read them more fairy tales." De facto, inúmeros escritores, poetas, cientistas, psicólogos e pedagogos têm referido a importância do Imaginário na vida dos seres humanos pois a sua ausência amarra as imagens no tempo e no espaço e consequentemente aprisiona o sentido e os sentidos da vida.
Pelo Imaginário, descobrimos a verdade. Não aquela que vem de fora para dentro, mas como dizia Poirot, esse detective extraordinário inventado por Agatha Christie, "...a descoberta da verdade tem de vir de dentro para fora e nunca de fora para dentro." (Christie, 1824)
Alguns já nascem com uma capacidade exponencial de construir imaginários, e daí resultam personalidades marcantes na vida artística , literária ou científica. Todos nos lembramos de Leonardo D'Avinci e dos seus desenhos visionários e futuristas, de Shakespeare e da sua capacidade de teatralizar com refinada sofisticação a natureza humana, de J.R.R. Tolkian e da sua criação de mundos ou universos alternativos e de Fernando Pessoa e da sua multifacetada criação de outras vidas imaginárias, através dos heterónimos. Tanto eles como outros, com a sua percepção crítica e arguta da realidade, catapultaram a mesma, para os patamares mais altos da actividade humana que é a Imaginação criadora Artística.
As fadas, esses seres que povoam o nosso imaginário colectivo, permitem-nos também, com a sua simplicidade, chegar a esse supremo nível de aprendizagem artística que é o " Olhar para lá das aparências, e dar o salto para o lado de lá ... para chegar à raiz ... para onde se joga a poesia ou o novo sentido das coisas". (Meneres, 2003).
Elas garantem-nos, em última instância, que há maneiras diferentes de ver o mundo, formas inovadoras de sentir o aqui e o agora, como contemporâneos uns dos outros, sentindo que as dificuldades podem ser vencidas, as florestas atravessadas e os caminhos de espinhos cortados. As fadas pacificam-nos, instigam-nos a olhar para a natureza, para o verde das plantas, das árvores, das folhas e que por serem dessa cor verde, matizada de vários tons, misteriosamente ressoam a refúgio de esperança, nesta nossa existência, que se diz a curto prazo e para a qual não sabemos "... what tomorrow will bring... " .(Pessoa, 1935)
Esperamos, com a leitura das Fadas Verdes e ao iniciar este Ciclo das Fadas, saborear a sua magia ao alcance do pensamento e também "... divined the potency of the words, and the wonder of things, such as stone, and wood, and iron; tree and grass; house and fire; bread and wine." (Tolkian, 1939)

2 comentários:

Divulgando o Sapateado Por Aí disse...

Convido você e a todos para conhecerem um blog recém-lançado sobre...

O Mundo de Agatha Christie
http://acasatorta.wordpress.com

Um abraço.

antonio graça lopes disse...

"camiñante, no hay camiño...solo estellas en el mar...camiñante son tus huellas...el camiño y nada más"
A. Machado ...vinha á procura dos "sabores" e nada!...reponha o blog....please!
...por mim deixo uns docinhos!...

Canção do rio

A minha barca de ébano,
a minha flauta dourada.
As plantas tiram as manchas da seda,
o vinho afasta as tristezas do coração.
Quando alguém tem bom vinho,
uma barca graciosa
e o amor de uma mulher
para quê invejar os deuses imortais?
Li Bai ...e mais um doce...deste Alentejo...esquecido...

Gemas do Convento da Esperança

Bata 12 gemas de ovos com 500 gr. de açucar e o sumo de uma laranja.
Leve ao lume até engrossar um pouco.Retire do lume, deixe arrefecer e tenda com as mãos umas bolas que deve depois passar por açucar em ponto de caramelo.

...e mais um docinho...quiçá o mais valioso! " Ama...e então faz o que quiseres" Santo Agostinho

...para além...montes...

LED Text Scroller

Na minha terra conta-se que, no inverno, à lareira, quando ainda não havia as modernices de hoje, pais e avós juntavam-se para contar histórias. As mães diziam: Venham meninos vamos às contas! Claro que não eram só os meninos que se juntavam. Era a família inteira e mais os vizinhos e até os animais que lá por casa passeavam se aninhavam para saborear mais uma noite de histórias, contos, ditos e mexericos...