Seguidores

quarta-feira, setembro 19, 2007

A princesa Pocahontas

Pocahontas é a filha do grande chefe Powhatan que vive com a sua tribo, nos verdes vales e majestosas montanhas da América. Um dia, enquanto sai com os seus amigos à procura de ursos, observa que a ilha está a ser invadida por colonos brancos comandados pelo capitão John Smith. As duas raças tornam-se inimigas até Pocahontas fazer amizade com o capitão branco, usar todo o seu amor e engenho para unir as duas frentes opostas e tornarem-se para sempre amigos da paz.
Este livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura, adaptado de uma lenda medieval, apresenta-nos uma Pocahontas espirituosa que tem uma constante relação com a natureza e cujos pensamentos são mais profundos do que se vê na superfície. Ao mesmo tempo, ela também tem um aspecto travesso e brincalhão, mas que não a impede de lutar pelos seus direitos e os do seu povo, bem como ir contra as convenções estabelecidas, apaixonando-se por um homem de outra raça e credo.
No post abaixo podemos ouvir a música "Just around the river bend" que acompanha o filme onde Pocahontas expressa o seu amor pela natureza e tece considerações sobre a sua vida:
What I love most about rivers is:
You can't step in the same river twice
The water's always changing, always flowing
But people, I guess, can't live like that
We all must pay a price to be safe,
We lose our chance of ever knowing
What's around the riverbend
Waiting just around the riverbend
I look once more just around the riverbend
Beyond the shore where the gulls fly free
Don't know what for what I dream the day might send
Jut around the riverbend for me
Coming for me I feel it there beyond those trees
Or right behind these waterfalls
Can I ignore that sound of distant drumming
For a handsome sturdy husband
Who builds handsome sturdy walls
And never dreams that something might be coming?
Just around the riverbend, Just around the riverbend
I look once more just around the riverbend
Beyond the shore somewhere past the sea
Don't know what for ...Why do all my dreams extend
Just around the riverbend?Just around the riverbend ...
Should I choose the smoothest corse
Steady as the beating drum?
Should I marry Kocoum?Is all my dreaming at an end?
Or do you still wait for me, Dream Giver
Just around the riverbend?

Just around the riverbend English version (Pocahontas)

segunda-feira, setembro 17, 2007

Quem disse que a Disney não mudou?

Raparigas fortes ...
MULAN, uma irrequieta jovem, pouco adaptada às tradições milenares da sociedade em que vive, descobre que o seu debilitado pai foi destacado para ajudar a defender a China da invasão dos Hunos. Num acto de bravura e amor, Mulan decide disfarçar-se de homem e toma o lugar do seu pai no Exército Imperial. Mas Mulan precisará de muita ajuda para derrotar o implacável líder dos Hunos, Shan-Yiu. Só seguindo o seu coração conseguirá Mulan transformar-se num exímio guerreiro, trazer a vitória ao seu povo e devolver a tão ansiada honra à sua família:
Reflection é o título da canção que representa Mulan, cuja letra anexo e que pode ser ouvida no post anterior. Vale a pena meditar no que ela nos pretende transmitir:
Look at me you may think you see
Who I really am but you’ll never know me
Every day, is as if I play apart
Now I see if I wear a mask I can fool the world
But I can not fool my heart
Who is that girl I see staring straight back at me?
When will my reflection show who I am inside?
I am now in a world where I have to hide my heart
And what I believe in but somehow I will show the world
What’s inside my heart and be loved for who I am
Who is that girl I see staring straight back at me?
Why is my reflection someone I don’t know?
Must I pretend that I’m someone else for all time?
When will my reflection show who I am inside?
There’s a heart that must be free to fly
That burns with a need to know the reason why
Why must we all conceal what we think how we feel
Must there be a secret me I’m forced to hide?
I won’t pretend that I’m someone else
For all time when will my reflections show
Who I am inside? When will my reflections show who I am inside?

Mulan (Reflection)

Quando uma porta se fecha outra logo se abre...

Por cada porta que abro, mostra-se-me um universo maravilhoso que me deixa escolher entre muitas outras portas. Por trás de cada uma delas está outro universo maravilhoso ...No final, qualquer que seja a Porta que eu escolha, o meu Caminho vai dar sempre ao mesmo sítio: às histórias infantis e juvenis!
Elas mostram-me, por exemplo, que sempre me devo sentir pequena perante a imensidão do oceâno, dos pássaros ou das árvores . Mostram-me, também, que quando tenho de optar entre ficar parada ou dançar...eu certamente que devo dançar, ao som das palavras escritas, que são melodias forjadas de pensamentos de reis e de rainhas e de príncipes e de princesas mas também, de madrastas velhas e bruxas feias. Estas, contudo, por muito horríveis que sejam, não conseguem impedir-nos de chegar às montanhas longínquas nem de deixar o nosso coração amargo.
Como diz a canção deLee Ann Womack - I Hope You Dance:

I hope you never lose your sense of wonder
You get your fill to eat but always keep that hunger
May you never take one single breath for granted
God forbid love ever leave you empty handed
I hope you still feel small when you stand beside the ocean
Whenever one door closes, I hope one more opens
Promise me you'll give faith a fighting chance.
And when you get the choice to sit it out or dance
I hope you dance! I hope you dance!
I hope you never fear those mountains in the distance
Never settle for the path of least resistance
Living might mean taking chances but they're worth taking
Lovin' might be a mistake but it's worth making
Don't let some hell bent heart leave you bitter
When you come close to selling out reconsider
Give the heavens above more than just a passing glance
And when you get the choice to sit it out or dance
I hope you dance!I hope you dance! I hope you dance! I hope you dance!
I hope you still feel small when you stand beside the ocean
Whenever one door closes, I hope one more opens
Promise me you'll give faith a fighting chance
And when you get the choice to sit it out or dance
I hope you dance! I hope you dance! I hope you dance! I hope you dance!

I Hope You Dance - Sleeping Beauty

sábado, setembro 15, 2007

Nunca percas a capacidade de maravilhar-te!

Ah ! O mundo Disney... Bem sabemos que o mundo não é assim tão perfeito, tão pateticamente perfeito, mas não faz ele apelo à criança que vive em cada um de nós?Creio que sim. Talvez até porque esse nosso lado infantil não desistiu de querer capturar o universo fantástico em que acreditávamos na infância.
Hoje, cada vez mais, penso que temos necessidade de conservar intacto algo que não se deixe banalizar, como o sonho, a magia e o amor, neste mundo de guerra, terrorismo, fome e miséria que vemos todos os dias, no telejornal e que nos entra pela casa dentro, sem pedir licença.

Apesar de todos os estereótipos tradicionais de género, que as histórias Disney nos apresentavam e que podem ser facilmente desmontados e desconstruidos, se apontarmos para a aprendizagem de uma leitura crítica, elas continuam, quer queiramos quer não, a fazer as delícias de crianças e jovens de todo o mundo.
I hope you never lose your sense of wonder é a mensagem deste universo ficcional e que nos é relembrado também na letra da canção:
A dream is a wish your heart makes
When you're fast asleep
In dreams you lose your heartaches
Whatever you wish for, you keep
Have faith in your dreams and someday
Your rainbow will come smiling thru
No matter how your heart is grieving
If you keep on believing
The dream that you wish will come true .

terça-feira, setembro 04, 2007

Palavras Andarilhas


A Biblioteca Municipal de Beja e a Associação para a Defesa do Património da Região de Beja organizam de 17 a 23 de Setembro as Palavras Andarilhas.
Nesta data chegam à cidade de Beja mais de 50 especialistas em Narração e Promoção da Leitura. Destacamos a presença de Daniel Pennac que, pela primeira vez, dará uma conferência em Portugal.
Imperdível...

LED Text Scroller

Na minha terra conta-se que, no inverno, à lareira, quando ainda não havia as modernices de hoje, pais e avós juntavam-se para contar histórias. As mães diziam: Venham meninos vamos às contas! Claro que não eram só os meninos que se juntavam. Era a família inteira e mais os vizinhos e até os animais que lá por casa passeavam se aninhavam para saborear mais uma noite de histórias, contos, ditos e mexericos...